FIFTYFIFTY... la chimba! | Natali no Studio 488


Alô, alô amigos portenhos!!! Natali participa da exposição "FIFTYFIFTY... la chimba!" que abre nesse sábado, dia 24/05, no Studio 488 em Buenos Aires. Com curadoria do colombiano Santiago Rueda, a mostra conta com a participação de artistas latino americanos (e uma europeia).

O Studio 488, sob a batuta da queridíssima e competente Luciana Massarino, fica ali na Pereyra Lucena, 2589. Apareçam!! (terá stella artois!!)



OREXIA


OREXIA
Performance-instalação / Exposição


A miscelânea de imagens que aparentemente não se relacionavam numa primeira configuração ocorrida através de uma perturbação noturna, resultando um caótico conjunto de associações que geraram uma coesão visivelmente esquizofrênica, acabou por auferir completo sentido, discursando sobre os motes que delineiam pensamentos ideológicos de vertente queer e, ainda, sobre o erotismo na arte fundido numa estética de horror através de um cerimonial ritualístico e, em certa medida, antropofágico, miscigenando ideias díspares que são elucidadas através de um jantar que é servido durante a performance que origina a exposição Orexia, a qual é composta por dez vídeos (cinco inéditos), além de uma instalação provocada a partir do banquete: uma feijoada.
Essa performance-instalação apela para a fome literal, bem como para uma orexia de instinto como principal fonte para o processo criativo, algo que rejeita a repressão logocêntrica, racional, falocêntrica, “falologocêntrica”. Todos instintos são legítimos. Todos compõem uma mesma mistura tal e qual a feijoada no espaço expositivo.


Performance com Tales Frey: Dia 08 de maio às 20h
Exposição da Cia.Excessos: De 08 a 23 de maio.


CIA. EXCESSOS
Tales Frey e Paulo Aureliano da Mata


A CIA EXCESSOS, formada pelo casal de artistas Tales Frey e Paulo Aureliano da Mata, tem a multidisciplinaridade como característica principal nas suas concepções e vem construindo uma pesquisa cênica de forma híbrida, tendo em vista os possíveis diálogos entre vídeo, teatro, performance e fotografia.
A companhia conta também com artistas convidados para integrar a equipe técnica da maior parte dos seus trabalhos.


TALES FREY (Catanduva – SP, Brasil. 1982) vive e trabalha entre o Brasil e Portugal. Encenador, crítico de arte, artista performático e videoartista, atualmente, é doutorando em Estudos Teatrais e Performativos pela Universidade de Coimbra em Portugal, onde está desenvolvendo a tese-projeto (Practice-led Research) “Performance e ritualização: moda e religiosidade em registros corporais”.

PAULO AURELIANO DA MATA (Inhumas – GO, Brasil. 1987) é historiador da arte de performance, membro-fundador da Cia. Excessos e performer. Atualmente, estuda História da Arte na Faculdade de Letras da Universidade do Porto em Portugal.




Diagnóstico para Indie.GESTÃO – Residência de Espaços Autônomos


Selecionado para projeto nacional de residência artística, Barracão Maravilha realiza bate-papo aberto sobre gestão de espaços independentes
Contemplados pela 10a edição do Prêmio Rede Nacional da Funarte, o Ateliê Aberto, de Campinas, e o JA.CA (Jardim Canadá Centro de Arte e Tecnologia), de Belo Horizonte, realizaram em março deste ano uma ampla convocatória aberta a gestores de centros artísticos autônomos de qualquer parte do território brasileiro.
A partir dessa convocatória, foram selecionados para o programa de residência artística “Diagnóstico para Indie.GESTÃO” os gestores de cinco espaços independentes do país: Barracão Maravilha Arte Contemporânea (Rio de Janeiro/RJ), Elefante Centro Cultural (Brasília/DF), Atelier do Porto (Belém/PA), Grafatório (Londrina/PR) e Espaço Fonte (Recife/PE).
"
Esta é uma oportunidade de refletir e debater com outros espaços independentes sobre suas singularidades e permitir o fortalecimento de uma rede colaborativa onde se compartilham os recursos disponíveis, tanto materiais quanto humanos.’’ Silvia Leal – Artista associada do Barracão Maravilha
Mapeamento de práticas e táticas.
O programa “Diagnóstico para Indie.GESTÃO – Residência de Espaços Autônomos” tem como objetivo investigar as variadas práticas e táticas de gestão criadas por centros artísticos independentes, considerando os diferentes contextos de ação que caracterizam a realidade brasileira.
“O nome dado ao projeto sugere que o processo de trabalho a ser realizado se relacione com o universo da culinária. A hora das refeições, de cozinhar juntos, de trocar receitas, de colocar uma pitada na discussão, de buscar novos temperos entre a especificidade de cada um dos espaços, de sentar à mesa. Um campo de negociação, de novas táticas, de aproximação e afetividade, buscando estratégias para alimentarmos novos processos de sobrevivência", diz Samantha Moreira, fundadora do Ateliê Aberto – espaço independente criado em 1997 e consolidado, hoje, como um dos mais antigos do país.

Em busca de outras experiências, sejam elas duradouras ou ainda recentes, o edital selecionou cinco centros artísticos autônomos sediados em diferentes regiões geográficas do país.
“A gestão está relacionada com os recursos, isto é com os ingredientes disponíveis no entorno – o contexto regional influencia diretamente na forma como as iniciativas são pensadas e viabilizadas. Acreditamos que os problemas enfrentados por gestores de espaços artísticos de todos país sejam parecidos, mas as soluções encontradas para resolvê-los são diferentes em cada região. É isto que pretendemos pesquisar, discutir e compartilhar nesta residência”, diz Joana Meniconi, coordenadora executiva do JA.CA. 


Circuitos da Desdobra

Barracão Maravilha é convidado a participar do encontro: Circuitos da Desdobra – que terá duração de dois dias am Abril e acontecerá no Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica  no Rio de Janeiro.

"Representantes/gestores de espaços orinundos de todas as regiões do país, assim como curadores, críticos e pesquisadores estarão reunidos c
om o objetivo principal de promover o compartilhamento de modelos de gestão, estratégias expositivas e de produção, de comunicação, assim como pedagogias diversas referentes às artes visuais, o evento assumirá o caráter de fórum, aberto ao público." 


Silvia Leal, artista associada e gestora do programa de residência internacional do Barracão estará debatendo na mesa ´Portas Abertas: residências, mobilidade, relações com o entorno´  e Zé Carlos Garcia, artista fundador do Barracão Maravilha estará debatendo na mesa:´ Redes de Colaboração, conexões e intercâmbio´ 


O encontro está previsto para as datas de 15 e 16 de abril. Mais informações: http://www.circuitosdadesdobra.com



Registros de abertura

Confira alguns registros da abertura da exposição "Histórias Circulares", que apresenta os trabalhos produzidos por nossos residentes Daniel de Roo (HOL) e Nicola Dracoulis (AUS/UK), resultado do último ciclo do nosso Programa Internacional de Residências em 2013. A exposição está aberta ao público até quinta-feira, dia 14 de novembro, das 12h às 17h, aqui no Barracão Maravilha. E até 30 de Novembro por agendamento. Aguardamos a sua visita!










Histórias Circulares - por Raphael Fonseca*



A Terra, essa concentração de água e terra, já recebeu os mais diversos tipos de representações verbais e visuais. Sua forma de globo, por mais que se saiba que diversos objetos assim produzidos desde a Antiguidade, tem seu exemplar mais antigo preservado com autoria do alemão Martin Behaim e datado de 1492. Como Cristóvão Colombo retornou a Espanha apenas em 1493, as Américas não fazem parte dessa abstração tridimensional das dimensões do mundo. Com esse exemplo, podemos refletir sobre o que me parece ser o tópico central dessa exposição, ou seja, a relação entre imagem, História e território.

Do mesmo modo que mapas se modificam de acordo com as expansões geográficas e novas técnicas de rastreamento e criação de imagem, as apreensões sobre espaços que não são tidos como as raízes de narradores, ou seja, o lugar do “outro”, ganham diferentes tons. Daniel de Roo em seu trabalho “Detour” se apropria de parte da literatura de Hans Staden, famoso viajante do século XVI que, longe de se encaixar na imagem dos naturalistas que posteriormente chegam ao Brasil, vem em busca de fortuna e, por que não, aventura. Teria Staden em mente a mítica ilha de Hy Brazil, já anunciada em documentos da Idade Média?

Trabalhando justo com o campo da dúvida, somos convidados a fruir uma série de narrações que, embebidas pelo caráter sério com tom de oficialidade do sotaque britânico, nos coloca na perspectiva fabulosa de Staden. Entre o documento e a ficção, entre o Renascimento e 2013, entre a leitura e a interpretação histórica, mapas, embarcações e abstrações visuais nos lembram que, mais do que o caráter escultórico de um globo, o “mundo”, esse conceito tão vago quanto as verdades de um relato de viagem, pode e deve ser desconstruído através de diferentes primeiras pessoas do singular.

Ao lado desse “detour” que em seu sentido de “anti-tour” pode ser enxergado como uma digressão narrativa, temos as fotografias de Nicky Dracoulis. Enquanto Staden esteve no Brasil por duas vezes com um intervalo de um ano, a fotógrafa australiana agora retorna ao Brasil após sete anos de hiato. As palavras saem de cena e dão espaço à criação de imagens através de encontros mediados pela fotografia. A unidade que o Morro do Cantagalo proporcionava através da música, se dissolveu e entranhou nas vicissitudes da geografia e das mudanças políticas na cidade do Rio de Janeiro.

Como reativar esse contato com o outro sem cair numa etnografia barata? Uma boa opção me parece ser a da série de reencenações de fotografias mostradas nessa exposição. Mais do que lançar um olhar rápido e estetizante, Nicky repensa junto aos seus fotografados como reconstruir poses e espaços até então relativos a 2006. Cabelos, vestuários e o corpo de algumas pessoas se alteram. Paredes são reformadas, amores são sustentados, o Cantagalo é deixado para trás e, assim como tudo na vida, o desaparecimento abate uma das pessoas com quem um dia teve contato. Para além da potência dessas imagens que, lado a lado, falam sobre encontros de vidas (dentro das fotografias e, claro, junto à fotógrafa), há um dado que me parece essencial: a presença de nomes próprios que, somados ao brilho desses olhares, atravessa a materialidade do papel e cruza continentes.

Os dois artistas participantes dessa exposição, portanto, apresentam não apenas histórias que são circulares por si mesmas, seja devido ao caráter ficcional de qualquer narrativa que se supõe histórica, ou seja pela ficção intrínseca à fotografia; imagino que, do mesmo modo que os globos se fazem circulares, temos à nossa frente histórias que também precisam circular pelo globo. Não à toa, ambos cruzaram o atlântico para, uma vez mais, contarem histórias que fogem das linearidades fáceis e nos incitam a uma percepção do mundo de modo mais espiralado.

* Raphael Fonseca é crítico, curador e historiador da arte. Professor do Colégio Pedro II. Doutorando em Crítica e História da Arte pela UERJ.

Histórias Circulares será aberta ao público no dia 8 de novembro, sexta-feira, a partir das 19h no Barracão Maravilha. A exposição faz parte do último ciclo do nosso Programa Internacional de Residências em 2013, e fica em cartaz de segunda à quinta-feira, até o dia 14 de novembro, sempre das 12h às 17h. A entrada é gratuita.

Registros de residência - parte II

Mais alguns registros do nosso último ciclo de residências do ano. Daniel de Roo (HOL) e Nicola Dracoulis (AUS/UK) já estão em ritmo de montagem para a exposição "Histórias Circulares", que será aberta ao público na sexta, dia 8 de novembro, a partir das 19h, aquin no Barracão Maravilha.

O curador Raphael Fonseca em
encontro com o artista Daniel de Roo 
O curador Raphael Fonseca em
encontro com o artista Daniel de Roo


O curador Raphael Fonseca em
encontro com a artista Nicola Dracoulis
O curador Raphael Fonseca em
encontro com a artista Nicola Dracoulis 


Hans Staden marcando presença
Em ritmo de montagem...

Em ritmo de montagem...
Em ritmo de montagem...
Em ritmo de montagem...


Em ritmo de montagem, com a
mãozinha do artista Hugo Richard
Em ritmo de montagem...


Convite // Invite >> Histórias Circulares

O Barracão Maravilha tem o prazer de convidar todos para a exposição "Histórias Circulares", que reúne os trabalhos dos artistas residentes Daniel de Roo (HOL) e Nicola Dracoulis (AUS/UK). A abertura acontece no dia 08 de Novembro, a partir das 19:00, na Avenida Gomes Freire, 242 - Lapa. Na ocasião, também vamos celebrar o final do ciclo 2013 do nosso Programa Internacional de Residências.



Barracao Maravilha has the pleasure to invite you all to the opening of "Circular Stories" - an exhibition which brings the works of our artists in residence Daniel de Roo (HOL) and Nicola Dracoulis (AUS/UK). Come along to Barracao Maravilha this Friday (8th Nov) from 7pm onwards (Avenida Gomes Freire 242, Lapa, Rio de Janeiro). On the ocasion of the opening, we will also celebrate the end of our 2013 International Residency Program.

Ambientes Infláveis - até o dia 27.10

Pra quem ainda não foi, últimos dias da instalação "Ambientes Infláveis", na Casa Daros, que fica aberta ao público de quarta a sábado, das 11h às 19h e aos domingos e feriados, das 11h às 18h.


“Ambientes Infláveis” é um projeto de Intervenção urbana dos artistas Hugo Richard e Natali Tubenchlak, artistas do Barracão Maravilha. Saiba mais sobre este projeto aqui.

Viver no meio do barulho - links

Acompanhe a rotina da nossa residente Nicola Dracoulis no Instagram e no Facebook! O seu projeto "Viver no meio do barulho" poderá ser visto em breve aqui no Barracão Maravilha, em exposição que abre no início de novembro. Aguarde mais informações.

Página do projeto no Facebook: http://www.facebook.com/livinginthemiddle



Registros de residência - parte I

Daniel de Roo (HOL) e Nicola Dracoulis (AUS) movimentam o Barracão Maravilha este mês com o desenvolvimento de seus projetos para o nosso Programa Internacional de Residências, que realiza seu último ciclo do ano. Confira abaixo alguns registros destas primeiras semanas. Em breve, exposição final com os resultados de seus trabalhos!


Daniel em encontro com o artista
Cadu  nos ateliês do Barracão.
(Foto: Frederico Pellachin)
Nicky em encontro com o artista
Cadu  nos ateliês do Barracão.
(Foto: Frederico Pellachin)


Café da manhã de boas vindas aos
novos residentes do Barracão
(Foto: Frederico Pellachin)
Nicky em uma de suas visitas às comunidades cariocas.
Aqui, registrando Jéssica Penha, no Cantagalo.
(Foto: Anna Ladeira)


Daniel de Roo & Nicola Dracoulis

Hoje iniciam suas residências Daniel de Roo da Holanda & Nicola Dracoulis da Austrália, que estarão trabalhando no Barracão durante um mês. Mais informações sobre seus projetos abaixo, e em breve publicaremos notícias sobre suas experiências no nosso ateliê.


Today the residencies of Daniel de Roo from Holland and Nicola Dracoulis from Australia begin at Barracão where they'll be working for the next month. More information about their projects below, and soon we will publish news about their experiences in our studio.









"Raízes" segue até o dia 25/10

Agradecemos a todos que visitaram o Barracão no último sábado (05/10) para a abertura da exposicão "Raízes", que segue até o dia 25 de outubro, sempre das 12h às 17h (Av. Gomes Freire, 242). Confira abaixo algumas fotos da tarde/noite de abertura!